terça-feira, 20 de maio de 2014

CORES E AROMAS DO NOSSO MERCADÃO

Boa tarde, meus amigos e leitores!!

Quem me acompanha pelo Face, Insta, TopMídia e está ligado nos eventos de gastronomia da cidade sabe que eu estou tendo um novo caso de amor... sim, uma paixão pelo nosso Mercado Municipal :-)



Tudo começou com um Convívio Slow Food, onde a queridíssima Cláudia Girelli me contou sobre uma possível ação do movimento para levar mais moradores da cidade ao Mercadão, e não só os turistas. Fiquei com aquilo na cabeça e quando o Carlos Batalha, diretor da Abrasel MS, me convidou para apresentar uma oficina na Arena Gastronômica, logo juntei as pecinhas e decidi fazer duas receitas, uma doce e outra salgada, homenageando o nosso Mercado Municipal.

Para desenvolver o receita, a primeira coisa que eu fiz foi uma visita longa a atenciosa ao homenageado. Andei de banca em banca, provei algumas mercadorias, tirei fotos, conversei muito com os atendentes e redigi uma lista daqueles ingredientes que achei mais interessantes e típicos. Inclusive, essa visita me abriu tanto os horizontes sobre o que havia para se vender ali que até virou uma linda matéria na minha coluna do Top Mídia News, que você podem conferir no link abaixo:
Mercado Municipal de Campo Grande é prato cheio para cozinheiros que procuram produtos da terra.

Aí começou o processo de criação: pensa daqui, mistura de lá, combina técnicas e receitas com novos ingredientes, testes e mais testes para encontrar os melhores sabores. E eu tenho o orgulho de apresentar aqui o meu primeiro filho cujo pai é o Mercadão: o prato CORES E AROMAS DO NOSSO MERCADÃO.

Nele eu consegui misturar os aromas mais típicos com ingredientes que a gente só encontra alí e a mistura de sabor e texturas ficou (me desculpem a falta de modéstia) divina! E quando a ideia é boa e resulta em sabores gostosos, é quase um orgasmo para um cozinheiro criador :-)

Agora é só vocês darem um pulinho lá no Mercadão, se encantarem com os ingredientes, colocarem a mão na massa e se surpreenderem com tudo que a nossa terra pode nos oferecer.




* Baião do Mercadão:
Essa é a minha versão do Baião de Dois. Nela eu usei 2 tipos de feijões que a gente só encontra no Mercadão, e o feijão de corda verde que as índias vendem do outro lado da rua. Também substitui o queijo de coalho pelo requeijão caipira com rapa e, para dar aqueeeele aroma de quando a gente entra no mercado, o cheiro onipresente de erva, fiz uma infusão de tereré com o caldo de cozimento dos feijões e usei para cozinhar o arroz

·         60 g de feijão carnaval roxo
·         60 g de feijão andu
·         100 g de feijão de corda verde
·         50 g de erva de tereré
·         300 g de arroz agulhinha
·         100 g de cebola
·         30 g de alho
·         60 g de manteiga de garrafa
·         180 ml de nata
·         300 g de requeijão caipira com rapa
·         Salsinha a gosto
·         Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
- Cozinhar todos os feijões separadamente até que fiquem ao dente. Coar e reservar a água do cozimento. Fazer um sachê com a erva do tereré e deixar em infusão no caldo dos feijões, por cerca de 10 minutos ou até que adquira um leve aroma de tereré.
- Picar bem a cebola e o alho e refogá-los na manteiga de garrafa. Adicionar o arroz e refogar até envolver em toda a gordura. Adicionar os feijões cozido e o caldo do cozimento, até que fique 1 dedo acima do arroz. Manter no fogo até que o arroz esteja cozido.
- Adicionar a salsinha picada finamente, a nata e misturar bem. Por último, acrescentar o requeijão cortado em cubos médios e mexer delicadamente, sem desmanchar o queijo.

* Farofa especial de chia, farinha biju e linguiça seca do Mercadão
Eu cresci comendo farofa feita com farinha de mandioca biju e me dá uma tristeza profunda comer essas farofas feitas com farinha fina, sem graaaaças. Por isso não pensei duas vezes em usar a receita de farofa da mami, dando toques especiais com ingredientes do Mercado, como a chia e as famosas linguiças secas.

·         2 gomos de linguiça seca
·         100 g de cebola
·         20 g de alho
·         20 g de chia
·         200 g de farinha de mandioca biju
·         Cebolinha a gosto
·         Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
- Desfazer a linguiça de tripa e fritar em sua própria gordura até que fique em pedacinhos crocantes. Retirar da panela e reservar.
- Na própria gordura da linguiça, fritar a chia até que libere seus aromas. Adicionar a farinha e mexer bem, torrando até que fique dourada.
- Desligar o fogo, temperar com sal, pimenta e cebolinha e adicionar a linguiça previamente frita.

* Carne de sol com caramelo de rapadura batida, cachaça e malagueta curtida no pequi
Por último, a carne! E claro, tinha que ser a soleada, que faz o maior sucesso nos açougues do Mercadão. Para o molho, uma nova descoberta: rapadura batida, que derrete na boca como bala de coco. Com ela eu fiz um caramelo saborizado com cachaça, limão e malagueta curtida no pequi, para dar um toque agridoce contemporâneo ao prato.

·         1 kg de carne de sol
·         50 g de manteiga de garrafa
·         300 g de rapadura batida
·         60 ml de suco de limão
·         60 ml de cachaça
·         6 malaguetas curtidas no óleo com pequi
Modo de preparo:
- Cortar a carne de sol em cubos médios e cozinhar em líquido aromático até que fique bem macia.
- Preparar o molho: picar bem a malagueta e levar todos os ingredientes ao fogo até que a rapadura se derreta completamente. Reservar.
- Saltear a carne na manteiga de garrafa até que fique bem corada.

- Servir coberta com um pouco do molho de rapadura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário